Jornal Brasa | ARAGUARI – Minas Gerais | 131 anos
9284
post-template-default,single,single-post,postid-9284,single-format-standard,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,columns-3,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

ARAGUARI – Minas Gerais | 131 anos

Araguari, município localizado na porção oeste do Estado de Minas Gerais, pertence à rica região do Triângulo Mineiro.

Com formação iniciada, aproximadamente, na segunda década dos anos de 1800, o lugarejo se expandiu gradualmente e em 1843 ganhou foro de Distrito de Paz, com o nome de Brejo Alegre.

Um mapa elaborado na quarta década dos anos 1800, acerca da região triangulina e exposto no Museu Padre Toledo em Tiradentes- MG, revela a próspera formação do Brejo Alegre que aparece como um dos poucos lugares em destaque juntamente com Araxá, Bagagem (hoje Estrela do Sul) e Sant’Ana do Rio das Velhas (Indianópolis).

O município configurado primeiramente, com fazendas e um pequeno núcleo urbanístico, foi identificado popularmente como “Ventania”, sem ter esta denominação figurado em lei. Devido sua posição geográfica, era reduto de poeira e ventos fortes na época de escassez de chuvas, o que explica a popular identidade.

A partir de 1864, o Distrito foi alçado à categoria de Freguesia e ou Paróquia. Para fundamentar esta iniciativa, foi determinada por lei a edificação de uma igreja, e assim, nasceu a Igreja Matriz do Senhor Bom
Jesus da Cana Verde. Antes disto, havia apenas um local particular improvisado para orações, que recebia periodicamente um religioso com o fim de oficializar celebrações.

Ao redor da igreja, ao longo dos anos foram edificadas habitações, ruas foram abertas, o comércio surgiu. O povoado com características de “Vila” desenvolveu-se.

Nos últimos anos do século XIX, Araguary mostrava-se com quase duas centenas de casas de habitação; edifício público com Câmara, Cadeia e Fórum; escola para ambos os sexos; duas igrejas católicas, a Senhor Bom Jesus e do Rosário; uma igreja protestante, a Igreja Presbiteriana e uma linha férrea, a Cia. Mogiana de Estradas de Ferro.

Os aspectos culturais rurais existentes foram acoplados à vida urbana e uma sociedade ruralista e escravocrata, formou o perfil da sociedade. Moldado, portanto, no molde agrícola, ainda hoje o setor é a principal fonte de renda do município.

Brejo Alegre ao final do século XIX, era subordinado ao município de Bagagem, atual Estrela do Sul, e no ano de 1884, aos 31 de março, alcançou sua emancipação política. Este momento foi alicerçado na redação da Lei número 2996, de 19 de outubro de 1882, que criou o município do Brejo Alegre.

Posteriormente, a apresentação do Projeto número 154, impetrado pelo Deputado Padre Lafayette de Godoy, junto à Assembleia Provincial culminou com Lei n° 3591 de 28 de agosto de 1888, que alterou a categoria do município. Elevado à condição de cidade, os moradores se depararam com fato bastante intrigante, pois a referida Lei promoveu também a mudança nominal do município, que passou a ser intitulado, Araguary.

O município usou esta grafia por pouco mais de quatro décadas, quando uma mudança ortográfica no país, excluiu o y do alfabeto. Com a reforma, mesmo sendo um nome próprio, os moradores com o tempo, passaram a escrever simplesmente: Araguari.

Encontramos hoje nas ruas da cidade, resquícios que marcam diversas épocas e períodos, com exemplares de imóveis com elementos arquitetônicos coloniais e ecléticos.

Araguari assomou ao século XXI, como um município de médio porte com elementos de modernidade, mas com o jeito receptivo e particular das pequenas localidades. Um slogan do passado se enquadra perfeitamente no hoje desta cidade: “Araguari: Viver aqui é bom demais!”

Década de 1950

Produzido no Arquivo Histórico e Museu Dr. Calil Porto
Historiadoras Juscélia Abadia Peixoto e Aparecida da Glória Campos Vieira.

Fonte: PEIXOTO, Juscélia Abadia; VIEIRA, Aparecida da Glória Campos. Araguari e sua história. Goiânia, GO: Kelps, 2013.