Jornal Brasa | GASTRONOMIA CONSCIENTE
5006
post-template-default,single,single-post,postid-5006,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,columns-3,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

GASTRONOMIA CONSCIENTE

Por Carol Orsini, personal chef.

O uso do sal rosa como forma de prevenir doenças cardíacas

img_9972Fotografia: Henrique Vieira

O sal é de fundamental importância na gastronomia, pois ele ativa o sabor dos alimentos e, ao mesmo tempo, é um vilão para a nossa saúde. Existe uma forma de utilizá-lo na medida correta? Encontramos no sal rosa do Himalaia uma boa alternativa para entender esta diferença.

27-10-03

O sal comum usado nas cozinhas, aquele refinado, contém cloreto de sódio, iodo e potássio para prevenir algumas doenças como o bócio, que é causado pelo aumento incomum da glândula tireoide causado justamente ausência de iodo no organismo. Porém, o sódio em excesso faz o organismo reter água, sobrecarrega o sistema cardiovascular e ainda aumenta a pressão arterial. O sal rosa do Himalaia possui outros componentes além do cloreto de sódio, como o magnésio, que é essencial para o controle da pressão arterial. O seu uso pode, portanto, melhorar a hipertensão arterial. Mas, claro, toda regra possui a sua exceção: o consumo diário de sal, mesmo o rosa, não deve ultrapassar uma colher rasa de chá ao dia!