Jornal Brasa | XX ANOS DE MUnA
6162
post-template-default,single,single-post,postid-6162,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-content-sidebar-responsive,columns-3,qode-theme-ver-10.1.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

XX ANOS DE MUnA

ÚLTIMOS DIAS para visitar a exposição comemorativa de 20 anos do Museu Universitário de Arte (MUnA)! As obras expostas foram doadas ao longo destas duas décadas por diversos artistas e, para a edição comemorativa, selecionadas por meio da curadoria especial do cubano Andrés Hernándes. A visita vai até sábado (1 de abril) e a entrada é gratuita. O museu fica na a Praça Cícero Macedo, 309, bairro Fundinho, em Uberlândia (MG). Mais informações: fb.com/MUnA.UFU

Escultura: “Estigma”, de Ana Paula Andrade. Criada em 2016, esta escultura de parede composta por corações de galinha, madeira e pregos, teve seu projeto doado para o acervo do MUnA especialmente para a Comemoração do 20 anos do museu.

Fotografia: Rodrigo Gonzaga
Fotografia: Calisson Alves
Fotografia: Jackeline Batista

Por Rodrigo Gonzaga

Equipe BRASA. Estudante de Ciências Sociais e bolsista de extensão do Museu Universitário de Arte (MUnA) da Universidade Federal de Uberlândia, um entusiasta da Cultura com emancipador social.

MUnA escancara seu acervo

Acervo: Um multiverso para a imaginação.

Foi necessária uma única visita ao acervo, e seria ela suficiente para se esquadrinhar uma infinita curiosidade de saber o que se esconderia dentro de todas aquelas mapotecas e suas infinitas gavetas recheadas de obras de arte. Um acervo de museu é muito mais que uma sala onde se guarda obras de arte: ele é, na verdade, um universo infinito de possibilidades para se contar e colecionar memórias. É uma porta de entrada para se lembrar de outros tempos e outras histórias (passadas ou vindouras) que permite a seu público se enveredar em um caminho criativo, mas não menos real, como também retornar e fechar ciclos. Todos nós temos ou já tivemos uma coleção na vida, seja ela de botões, souvenires, brinquedos, latinhas, selos e até mesmo de sentimentos, histórias, amores e afetos. Assim nos tornamos, mesmo que inconscientemente, um pouco museu.

O museu, seja aquele construído para guardar centenas de obras, ou o cantinho da casa que reservamos para guardar e expor nossas histórias, e até mesmo nossas mentes (um reservatório infinito de lembranças e acontecimentos vividos) é, em si, um ser coletivo, que constrói acervos e os torna híbridos de uma genuína miscelânea de sentimentos, desejos e possibilidades reconvexas.

Contemporâneo e inovador: O Museu Universitário de Arte (MUnA)

Entre Maciej Babinski, Geraldo Queiroz, Alfredo Volpi, Carlos Scliar e Emiliano de Cavalcanti, iniciamos as montagens da exposição que marcou as comemorações das duas primeiras décadas do Museu Universitário de Arte, o MUnA, um órgão público e complementar do Instituto de Artes da UFU.

Seu acervo de obras contemporâneas e modernas começou a ser composto por doações feitas por artistas, particulares e instituições ainda em 1978, quando o museu que conhecemos hoje era uma embrionária galeria, onde ocorria o Festival de Artes promovido por professores (as) e estudantes da universidade, que após alguns anos fora de órbita durante a década de 90, é retomado a partir dos anos 2000. Hoje, esse acervo conta com mais de 500 peças entre gravuras, desenhos, pinturas, fotografias, esculturas, cerâmicas, objetos, instalações, tapeçaria e documentos, e segue servindo de fonte de pesquisas acadêmicas e, após anos, ainda reserva sua característica de guardar uma coleção predominantemente bidimensional, com muito papel e técnicas de gravuras.

Mas, para além de preservar tudo isso, o acervo do MUnA serve para cumprir uma de suas principais funções, sendo ele uma instituição pública de ensino, pesquisa e extensão. Entre uma temporada e outra, algumas obras são escolhidas para respirar um pouco do lado de fora do acervo e assim povoar imaginários alheios de visitantes que passam pelas galerias do museu e permitir que a população possa, em seu tempo, construir suas próprias interpretações acerca da obra e consumir um pouco de arte, gratuitamente.

Construindo uma nova política de aquisição de acervo

A exposição comemorativa de aniversário do museu marcou também uma nova fase na forma de olhar para a reserva técnica e para o acervo do MUnA. Com uma parceria especial para realizar a curadoria das obras selecionadas para ir a público, um novo olhar foi lançado sob as formas de aquisição de novas peças – e até mesmo projetos de obras – que, a partir de então seriam parte do acervo do museu.

Essa exposição foi marcada por obras que transitam entre arte e design, arte e moda, instalações audiovisuais, performances, e algo ainda nunca experimentado pelo museu antes: a aquisição de projetos de obras. Uma nova forma de lidar com obras que não serão guardadas no acervo, mas que mesmo assim farão parte dele, foi a inovação dessa exposição. Com essa modalidade de aquisição, por exemplo; a escultura de parede “Estigma” de Ana Paula Andrade – um objeto composto por corações de galinhas, madeira e pregos – não poderia ser guardado na reserva, por se tratar de uma peça altamente perecível e com curto prazo de validade para apreciação de visitantes na galeria.

Porém, a escultura teve seu projeto doado ao acervo do museu, isso quer dizer que, caso o museu queira em outra ocasião colocá-la novamente à público, o documento/ficha técnica que vêm junto a ela permite a confecção de uma outra tiragem, já que a anterior, em seu efêmero tempo na galeria foi descartada ao lixo. Da mesma forma aconteceu com a instalação espacial “Cacos”, dos professores e designers Juliana Braga e Juscelino Machado – composta por mais de 300kg de retalhos de MDF – ela também não poderia ser condicionada na sala do acervo, portanto, junto a instalação também esteve emoldurado o documento/ficha técnica que certificava a maneira correta de montagem de uma outra tiragem, além de garantir a sua doação ao MUnA.

Assim, durante cinco meses a exposição comemorativa dos primeiros 20 anos do Museu Universitário de Arte da UFU esteve em cartaz, recebendo dezenas de escolas para visitas mediadas com ações educativas realizadas pelos estudantes bolsistas e centenas de visitações expontâneas do mais variado público da cidade e região. Cumprindo assim sua missão de propagar o consumo de Arte e Cultura gratuitamente a população e abrindo novos caminhos para mais 20 anos de histórias!

VISITE A EXPOSIÇÃO COMEMORATIVA
O quê? Duas décadas de Museu Universitário de Arte
Quando? 11 de novembro a 01 de abril
Onde? MUnA – Praça Cícero Macedo, 309, Fundinho, Uberlândia.
Contatos para agendamento de visitas: (34) 3231-9121 /secretaria@muna.ufu.br
Aberto a todos e todas.